Link para página

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

AXIANS REPRESENTA 80 POSTOS DE TRABALHO E UM IMPACTO DE 4,5 MILHÕES DE EUROS ATÉ 2022, EM CASTELO BRANCO

13 mar, 2020

A Axians tem prevista a criação de 80 postos de trabalho altamente qualificado e representa um impacto direto de 4,5 milhões de euros na região, até 2022. Esta empresa inaugurou, no passado dia 6 de março, um novo centro de engenharia em Castelo Branco para prestar serviços nas áreas de Cybersecurity, Cloud, Managed Services, Data Analytics e Augmented Reality. Atualmente o espaço, localizado no Centro de Empresas Inovadoras – CEi, acolhe 34 talentos portugueses, sendo que a abertura do espaço surge após o arranque de um programa de formação certificada dirigida aos novos colaboradores com uma duração de nove meses, dotando os participantes dos conhecimentos e competências necessárias para a prestação dos referidos serviços digitais.

Considerando que a inauguração do novo centro sinaliza o crescimento da Axians em Portugal, Pedro Afonso, CEO da VINCI Energies em Portugal, detentora da marca Axians, salienta que este “é também um polo de desenvolvimento das profissões do futuro, que constroem o mundo digital (…) e que ajuda a região a manter os filhos da terra e a atrair outros tantos”. O CEO da VINCI Energies Portugal acrescentou ainda que “temos grandes ambições para este projeto e esperamos fazê-lo crescer de forma sustentada (…). Portugal, o nosso talento e o nosso interior merecem este investimento”, aproveitando também o momento para agradecer à autarquia albicastrense o convite e o apoio, ao IEFP e ao IPCB.

O novo centro de engenharia da Axians em Castelo Branco representa um polo de desenvolvimento de serviços altamente diferenciados, que oferece aos colaboradores uma oportunidade de desenvolvimento de carreira, com condições acima da média do distrito e em linha com o que é praticado nas profissões do mundo digital.

Para Luís Correia, Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, “a abertura deste centro de engenharia da Axians em Castelo Branco demonstra que a cidade tem todas as condições para acolher grandes empresas e multinacionais. Conseguimos criar um ecossistema virtuoso, com o contributo do Politécnico e do CEi, que, conjugado com o talento existente e a infraestrutura edificada, nos permitem atrair empresas focadas no desenvolvimento de atividades de valor acrescentado. Esperamos que mais empresas como a Axians se instalem em Castelo Branco, porque é assim que Castelo Branco se assume como uma cidade tecnológica”.

A inauguração oficial do novo Centro de Engenharia da Axians Portugal realizou-se no âmbito da Semana da Transição Digital do Ministério da Economia e da Transição Digital, e contou com a presença de Pedro Siza Vieira, Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, de Ana Abrunhosa, Ministra da Coesão Territorial, de André de Aragão Azevedo, Secretário de Estado para a Transição Digital e de Isabel Ferreira, Secretária de Estado da Valorização do Interior.

Realçando o “excelente exemplo do bom trabalho que tem vindo a ser desenvolvido para dinamizar e atrair investimento tecnológico e digital em setores de valor acrescentado, bem como para a criação de postos de trabalho altamente qualificados no país, e especialmente das regiões do interior”, a Ministra da Coesão Territorial salientou ainda a importância da criação de infraestruturas como o CEi, uma vez que “permitem atrair emprego e investimento para as regiões onde ele é mais necessário”.

Já o Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital destacou a importância da construção de uma sociedade preparada para o digital “uma sociedade, uma economia digital, precisa de ter cidadãos que estejam preparados para viver nesta nova sociedade digital. Temos de olhar para a maneira como as nossas crianças e jovens adquirem hoje competências para, daqui a 20, 30 anos exercerem profissões que hoje nem sequer conseguimos imaginar” acrescentando ainda que “não há sociedade digital se todos os cidadãos não forem preparados para terem as competências básicas e poderem aceder a serviços digitais”.