Link para página

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

CENTRAL MELEIRA EXTRAIU 46 TONELADAS DE MEL EM 2019

25 set, 2019

Decorreu, no dia 19 de setembro, o Encerramento da Campanha 2019, da Central Meleira de Castelo Branco. A infraestrutura, criada pela Câmara Municipal de Castelo Branco e gerida pela Meltagus, apresentou um crescimento acentuado nos valores obtidos em 2019, superando largamente as expectativas.

O Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Luís Correia, demonstrou satisfação pelos valores obtidos referindo que “o setor do mel está a ganhar cada vez mais força em Castelo Branco”.

Os valores dos produtos processados pela Central Meleira têm, ao longo dos últimos três anos, sofrido um acentuado crescimento. Em 2017 o mel extraído correspondia a 31 toneladas, em 2018 correspondia a 36 toneladas, verificando-se em 2019 um aumento total de mel extraído de 46 toneladas. Relativamente à cera processada, em 2017 os valores corresponderam a 2 toneladas, em 2018 corresponderam a 4 toneladas e em 2019 a previsão é de cerca de 6 toneladas. Quanto aos valores obtidos na secagem e triagem de pólen, proveniente da região de Castelo Branco, estes corresponderam, em 2017, a 182kg, em 2018, a 1000kg e, em 2019, a 1900kg, dos quais 1100kg foram provenientes da região de Castelo Branco.

Odete Gonçalves, Presidente da Meltagus, reforça o investimento que a Câmara Municipal de Castelo Branco tem feito, bem como a preocupação da autarquia com os melhoramentos da central que, para além de aprimorarem a qualidade do mel, melhoram os processos inerentes a esta atividade.

Questões relativas à Vespa Velutina também foram levantadas sendo que a Meltagus, em articulação da autarquia albicastrense, tem atuado na prevenção deste inseto, como refere Odete Gonçalves, acrescentando que este “é um problema nacional, mas é também um problema dos apicultores”.

O setor do mel está a ganhar mais relevância e destaque no concelho que conta, atualmente, com cerca de 32 mil colmeias.