Link para página

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Bordado E ARQUITETURA

Os motivos que caracterizam e definem  o Bordado de Castelo Branco refletem-se em muitas outras áreas que não a arte dos têxteis e bordados. Na linha da secular tradição portuguesa, os passeios da cidade apresentam originais exemplos de calçada portuguesa.

Os calceteiros adaptaram a sua arte de trabalhar a pedra de basalto e calcário aos motivos decorativos das célebres Colchas de Castelo Branco.

São os bordados em pedra. A arte sob os nossos pés.

Para além da calçada portuguesa, vários prédios da cidade ornamentam as suas fachadas com os motivos do Bordado de Castelo Branco, tal como em muitas rotundas surgem arranjos paisagísticos que privilegiam esta temática, tornando o Bordado no ex-libris da cidade, verdadeiro símbolo identitário da Capital da Beira Baixa. 


BORDADO INSPIRA MOEDA PIONEIRA

A Imprensa Nacional Casa da Moeda é a entidade responsável pelo lançamento de uma moeda, inspirada no Bordado de Castelo Branco que, pela primeira vez no nosso País, faz uso da cor na cunhagem.

A moeda destina-se a promover os Tesouros da Etnografia Portuguesa e está cunhada em três versões: 100 mil exemplares de uma moeda de cuproniquel com um valor facial de 2,50 €, uma edição de prata Proof de 2.500 exemplares com um valor unitário de 47,23 € e também uma edição de 2.500 moedas de ouro, cada uma com um valor unitário de 805,00 €.

Um trabalho assinado por  Fernando Branco e por Isabel Carriço, que viveu durante muitos anos na cidade de Castelo Branco, e que se inspirou numa colcha propriedade da sua família para desenhar uma das faces da moeda.

Esta é também, como já referido, a primeira moeda emitida em Portugal com um elemento de cor, uma vez que o pássaro típico do Bordado de Castelo Branco surge a azul.

A moeda  mereceu grande aceitação por parte do público em geral e dos colecionadores, mas também o reconhecimento dos especialistas, que já a distinguiram com prémios nacionais e internacionais.

 

Bordado inspira embalagem para moedas

Uma  embalagem encomendada pela Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) foi premiada internacionalmente.

Trata-se da embalagem para moedas inspirada nas Colchas de Castelo Branco, que conquistou um segundo lugar no concurso integrado na conferência Mint Directors, que decorreu na Tailândia, em maio de 2016.

A embalagem encomendada pela Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) à designer Rita Nicolau foi escolhida para receber a chamada Série Anual 2015, que reúne a coleção de moedas emitidas em Portugal no ano 2015.

O prémio foi atribuído por um júri independente, constituído por especialistas das áreas do design, do marketing e do colecionismo.

A Mint Directors Conference acontece de 2 em 2 anos e junta diretores de casas da moeda, bancos emissores, fornecedores e representantes de indústrias relacionadas com o processo de fabrico de moeda.

 


O Bordado de Castelo Branco EM emissão filatélica dos CTT

A emissão filatélica intitulada "Bordados Tradicionais Portugueses" é composta por 6 selos e 2 blocos, sendo o objetivo dos CTT homenagear a arte tradicional dos bordados. O tema tem a ver com a identidade popular e o bordado é considerado uma arte.

Os CTT pretendem homenagear a arte tradicional portuguesa do bordado, fortemente associada às identidades regionais do País.


Bordado de Castelo Branco em mobiliário

José Manuel Pereira desenvolveu três peças de mobiliário com aplicações do bordado, no âmbito de uma tese de mestrado em Design e Cultura Visual no Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing (IADE).

Deste trabalho nasceram uma consola, um bar e uma mesa, que foram apresentados em Junho na Oporto Show, uma feira bienal de design português.

A consola e o bar são inovadores na forma como é utilizado o bordado, já que o designer optou por tingir o linho a preto com os motivos a seda crua. Na mesa o bordado foi aplicado entre as duas camadas de vidro do tampo.

Para desenvolver o projeto, José Manuel Pereira reuniu uma série de pessoas, entre as quais  bordadoras, empresários, designers e professores.


Bordado de Castelo Branco na moda

Tradição e contemporaneidade, rigor e inovação são a matriz base das peças inspiradas no Bordado de Castelo Branco, apresentadas na primeira edição do Castelo Branco Moda, um evento que veio para ficar a pensar na preservação, mas também no relançamento e inovação deste bordado.

Os estilistas Alexandra Moura e Luís Buchinho  foram desafiados a criar roupa com aplicação do Bordado de Castelo Branco. O convite partiu da autarquia e o resultado foi apresentado num desfile no centro da cidade.

Alexandra Moura criou um casaco com o Bordado de Castelo Branco, aplicação que “gostava de poder continuar a usar", uma peça desestruturada, mas, simultaneamente, de aspecto romântico e palaciano, 

O estilista Luís Buchinho, que partilha a ideia de poder continuar a usar o Bordado de Castelo Branco nas suas coleções, mostrou aos albicastrenses uma peça de marcada inspiração geométrica.

Também Maria Sousa e Rita Paulino, duas ex-alunas da ESART, apresentaram dois criações associadas ao bordado albicastrense, desenvolvidos num workshop orientado por António Tenente, Maria Gambina e Nuno Gama. O resultado traduziu-se numa carteira de mão e numa mochila, onde o motivo predominante é o característico cravo do Bordado de Castelo Branco.

  • História
  • Temática, Técnica
    e Materiais
  • Centro
    de Interpretação
    do Bordado
  • Onde Comprar